Matérias

Funk e pagode se misturam? Veja como isso vem acontecendo no universo do funk

11.01.2021 | Por: Wenderson França

Dentro das quebradas, a coisa mais natural é alguém lançar na roda de amigos: “E aí, vamos colar no pagofunk?”. Afinal, não é novidade pra ninguém que o funk e o pagode andam de mãos dadas, não é mesmo? Porém, além dos gêneros frequentarem o mesmo ambiente, eles agora estão dividindo o mesmo espaço nas produções musicais. Quer saber como eles andam se misturando nos sons? Cola com o Portal KondZilla que os DJs Soneca e RD explicam mais sobre essa mescla.

Essa mistura dos mundos do funk e pagode acontece de várias formas. Uma delas foi quando Ludmilla, uma das maiores funkeiras do país, resolveu soltar um EP no gênero. Antes disso, anos e anos atrás, ela gravou uma parceria com o Belo, um dos maiores nomes do ritmo. Quem também é pagodeiro nato é o MC Marks, dono dos hits “Deus é Por Nós” e “Céu de Pipa“. Em 2020 ainda, Kevinho e Turma do Pagode se uniram para um som, e o Jottapê convocou o Ferrugem para um feat no começo deste ano. Inclusive, o MC Ryan SP revelou que o sonho dele é gravar com o Xande de Pilares, pagodeiro da relíquia.

Já há alguns meses, essa mistura deixou de ser só parceria entre artistas pra virar uma coisa só: um funk com elementos clássicos do pagode. Sendo assim, busquei alguns produtores musicais para que eles pudessem falar um pouco dessa junção, como é o caso do DJ RD, residente dos estúdios KondZilla Records. O “Set RD #1“, lançado no último mês, apresenta essa característica nos versos do relíquia MC Dede

“Isso é bem antigo. O pessoal misturava muito nos anos 2000, mas colocava mais o cavaco [instrumento muito usado no pagode]. No meu set, decidi colocar realmente os elementos percussivos do pagode pra dar mais cara do gênero mesmo”, explicou RD. 

Na mesma pegada, o Moloka Poeta, mais conhecido como MC Digo STC, soltou lá em agosto de 2020 a música “Bole Bole“, que além de misturar as vivências do funk vem totalmente no ritmo do pagodinho de quebrada mostra a versatilidade do artista. A produção do som ficou por conto de Iverton, 23, morador das quebradas de Carapicuíba, vulgo DJ Soneca, que passou a visão: 

“A música surgiu a partir da letra do MC Digo STC, que já tinha essa ideia de misturar os gêneros. Misturar funk com pagode é satisfatório pra mim porque sempre curti muito os dois”, disse DJ Soneca. 

Estes não são os únicos exemplos. Se liga nas músicas que também fazem essa junção: a parte do MC Lipi no “Love Acústico 2” , “Nega Apetitosa“, do Nathan ZK”, “Cacheada“, do MC Barone, set “Homenagem R10” e o set “Paraíso Tropical“. 

O pagode está realmente muito próximo do funk? MC Paulin da Capital, um dos nomes mais estourados do funk no último ano, é nascido e criado no universo do samba. “Meu pai é músico, então comecei a cantar desde cedo. Com uns 16 anos comecei a compor samba e pagode, aí fui evoluindo, conheci o funk e gostei”, relembra ele. Num papo com o MC Paulin da Capital uma vez, ele ainda deu o toque: “Negrão, minha música ‘Morena’ é um pagode”. 

Será que teremos mais funks com gostinho de pagode?: “Não sei, pode ser que vire tendência, principalmente agora que o pagode está em alta nas redes sociais. Quero bastante fazer mais essa mistura do funk com pagode, então já deixo em aberto o meu convite para os amigos pagodeiros”, passou a visão DJ RD. “Acredito que seja uma evolução, mas tudo depende do público. Se eles aceitarem bem, com certeza vira tendência”, finalizou DJ Soneca.  

PUBLICIDADE Flowers

Veja também

PUBLICIDADE Flowers
ARTE E CULTURA MÚSICA MODA EDUCAÇÃO ESPORTE EVENTOS EMPREENDA ENTRETENIMENTO SAÚDE E BEM-ESTAR TECNOLOGIA