O funk levou o DJ Felipe Único a realizar o sonho de viajar para outro estado
Créditos: Reprodução
- Por Redação

O funk levou o DJ Felipe Único a realizar o sonho de viajar para outro estado

Mais uma sexta-feira, mais uma história. Hoje no projeto Conte Aqui Sua História, quem encostou pra falar sobre si foi o produtor do Espírito Santo, DJ Felipe Único que estourou em 2019 e conseguiu realizar o sonho de tocar fora de sua cidade. Chega mais.

“Tudo começou quando lancei “Mochila Nas Costas / Empurra Empurra”, no mês de setembro. Ela ficou em primeiro lugar das 50 virais do Brasil no Spotify, chegou a viralizar em Portugal e depois no mundo inteiro.

Atualmente a música conta com quase 5 milhões no Spotify e no YouTube já ultrapassa os 10 milhões de visualizações somente em um canal.

Com tudo isso, consegui sair da minha cidade Linhares, no interior do Espírito Santo, para ir fazer shows em São Paulo em dois finais de semanas seguidos (sexta e sábado). Toquei em um lounge na zona sul e em uma cervejada de uma faculdade super famosa. Me senti muito grato, muito realizado. Várias pessoas vieram tirar foto comigo.

O valor daqui [de Linhares, Espírito Santo] já não era muita coisa e ainda assim, só tocava três bailes por ano. Na maioria das vezes, eram com artistas de fora que vinham conhecer os DJs daqui e me chamavam. Aqui eu sou um bosta, mas em São Paulo, não.

Eu sou um artista independente, corro atrás de tudo. Trabalho com funk e músicas desde os meus 11 e 12 anos (2011/2012) correndo atrás e evoluindo sempre, sem depender de ninguém.

Estou muito feliz em estar tocando nas melhores festas de faculdades, um simples menino de 19 anos do interior do Espírito Santo, que não é valorizado tanto na sua cidade e estado, quebrando todas essas barreiras.

Eu sozinho estou sendo o meu próprio empresário, fui pra SP e já mandei ser feita a camisa da produção, pano para por no em cima do palco com a minha caricatura e tal, crachá também foi feito. E também pago três pessoas para trabalharem comigo.

Em 2020, quero ser melhor do que em 2019. Tenho só 19 anos, sou produtor e meu foco vai ser só melhorar e alegrar meu público.

Se você quer embarcar no mundo do funk, se for isso mesmo que você quer, vai pra cima, mete marcha, tem que procurar sempre melhorar. Sou independente e corro atrás de tudo, cuido da minha carreira. Não dependa de ninguém e corra atrás do seu sonho.”

Foda né? 2019 trouxe muitas histórias e você pode participar também. Acesse a página do “Conte aqui sua história“, mande todas as informações e aguarde nosso contato. Em 2020 pode ser você por aqui.

Leia também:

No Espírito Santo, o beat é fino e o funk é forte

Tags relacionadas:

Conte aqui sua historia

Histórias que inspiram

Funk