Diversidade

Lei Maria da Penha passa a ser válida também para mulheres trans

08.04.2022 | Por: Carolina Matias

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu, nesta última terça-feira (7), a aplicação da Lei Maria da Penha às mulheres transgêneras. 

https://www.instagram.com/p/CcDUq9FLC7D/

No 13º ano consecutivo, o Brasil ficou em primeiro lugar entre os países que mais matam pessoas trans no mundo. Isso mostra o quão importante é a decisão da justiça frente à aplicação da lei também para mulheres trans. 

Confira como se deu essa decisão e qual a importância da lei para todas as mulheres. Aqui no Portal da KondZilla!

A Lei Maria da Penha

Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha cria mecanismos para prevenir e deter a violência doméstica e familiar contra a mulher de acordo com a Constituição Federal (art. 226, parágrafo 8°).

https://www.instagram.com/p/Cb-OpQAr-b_/

Segundo dados do Instituto Maria da Penha, a lei vem para barrar agressões de violência doméstica. Seja de forma física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.

A mulher agredida tem direito à denúncia contra o agressor. E nisso, pode solicitar uma medida protetiva e também o apoio de profissionais especializados. 

Inclusão de mulheres trans e travestis 

Bandeira Trans.

A decisão do STJ se deu após a denúncia de uma mulher trans que no caso foi agredida pelo pai. Essa é apenas uma violência dentre tantas que ocorrem com mulheres trans e travestis.

A modificação ocorreu no parágrafo 5º da Lei Maria da Penha, que garante mais proteção às mulheres trans vítimas de violência doméstica no Brasil.

Para o relator do caso, o ministro Rogério Schietti, a decisão vai além dos interesses individuais.  

O ministro disse que a Lei Maria da Penha se referia a mulher sob um conceito meramente biológico. Com a alteração, a lei irá proteger todas que se identificam como mulheres. 

Identidade de Gênero x Sexo biológico

Para quem não sabe, existe uma grande diferença entre identidade de gênero e sexo biológico. Mulheres trans, como é o caso da cantora e artista Linn da Quebrada, se identificam como mulheres, mas não necessariamente fizeram a transição de sexo. O sexo biológico não define identidade de gênero.

A Lei passa a acolher todas as mulheres que se identificam com o gênero, independente do sexo biológico.

Bandeira símbolo da causa trans carregada por participantes da Parada LGBT de São Paulo. // Reprodução.

O ministro relator, Rogério Schietti, argumentou ainda que as violências cometidas contra pessoas trans são um reflexo de uma cultura transfóbica e misógina.

Algumas figuras públicas e perfis de defesa da causa trans se manifestaram:

A importância da alteração do artigo 5º da Lei é essencial para a garantia de direitos e segurança para todas as mulheres. Com isso, a redução de casos de violência contra a mulher será mais efetiva.

PUBLICIDADE Flowers

Veja também

PUBLICIDADE Flowers
ARTE E CULTURA MÚSICA MODA EDUCAÇÃO ESPORTE EVENTOS EMPREENDA ENTRETENIMENTO SAÚDE E BEM-ESTAR TECNOLOGIA