Matérias

Produtora audiovisual Quilombarte narra histórias dos moradores de Paraisópolis

01.02.2022 | Por: Glória Maria

As produções independentes são importantes para trazer uma narrativa de diferentes histórias em seus territórios, e tem sido isso que o coletivo Quilombarte tem feito. A Kondzilla colou lá em Paraisópolis para contar essa história, vem junto! 

Elissandra Silva, 24, roteirista, diretora de arte e social media, e Arthur Araujo, 24, roteirista, videomaker e diretor, são moradores de Paraisópolis que sonhavam em tocar um projeto em sua comunidade desde seu ensino médio, lá em 2012 a 2014. Os dois amigos de escola sempre compartilharam a paixão pela arte e cultura, mas ainda não sabiam como materializar esse desejo. 

Elissandra Silva e Arthur Araujo se jogaram em cursos de audiovisual gratuitos e em 2019, oficializaram a produtora Quilombarte, que traz a junção de quilombo, palavra que vem da ideia de grupo desprivilegiado, unindo a palavra arte como ferramenta de resistência. 

Imagem: Quilombarte

Os dois se organizaram e criaram o primeiro projeto da produtora, o FIVE-LADOS, apoiado pelo Programa VAI.  A ideia foi criar uma série documental de 5 episódios sobre a vida de 5 moradores de Paraisópolis, tidos como minoria perante a sociedade. Foram escolhidos histórias que representasse cada causa (negros, LGBTQIA+, mulheres, nordestinos) com a pretensão de ampliar as vozes e sentidos da comunidade. Além de mostrar como essas minorias poderiam coexistir no mesmo espaço. 

Sendo assim, Fernanda Borges, 22, foi uma das personagens da série, para ela, essa oportunidade foi motivadora para que ela pudesse continuar tocando seu projeto na comunidade, a “Um Verso de Mim”, que potencializa poetas e artistas. Ela também acrescenta que participar da série mostra o interesse das pessoas por sua história de vida, “Foi um trabalho importante que levantou minha autoestima enquanto indivíduo e coletivo. Vi que as pessoas me ouviram e mostramos que somos símbolo de resistência em nosso território”, afirma.  

Atualmente, o coletivo conta com seis integrantes, mas ideia é ampliar para que outros a moradores possam experimentar a produção audiovisual e integrar o time.

Fernanda Borges e seu coletivo “Um Verso de Mim”
Coletivo Quilombarte

A Blogueira da Favela vem aí!

O projeto FIVE-LADOS foi um pontapé para que o coletivo se mantivesse e criasse outra proposta: Blogueira de Favela, outro projeto apoiado pelo Programa VAI e que ainda está no processo de seleção de quem vai ser essa blogueira, no caso uma moradora de Paraisópolis.  

O coletivo avaliou na linguagem que faria sentido, e na produção e sentimentos criando-se a ideia do filme: a Blogueira de Favela.    

Elissandra relata que o filme é projetado para jovens com trazer mais voz, representação de Arthur, que pode criar conteúdo para compartilhar suas experiências e usar como intenção: “Nas nossas produções concebidas como conteúdo pautas importantes usando-se do humor, do entretenimento e da dita “futilidade”. 

Expectativa de futuro 

A Quilombarte está com todo gás para dar continuidade aos trabalhos autônomos e terceirizados para que o coletivo consiga ter renda e viver das produções. As produções periféricas, e identitárias são importantíssimas para existência do coletivo, mostrando a singularidade de histórias e dando um up para que as produções tenham mais visibilidade e acesso para todos. “Nosso sonho é de um dia transformar nossa produtora em uma das maiores de São Paulo”, finaliza.

PUBLICIDADE Flowers

Veja também

PUBLICIDADE Flowers
ARTE E CULTURA MÚSICA MODA EDUCAÇÃO ESPORTE EVENTOS EMPREENDA ENTRETENIMENTO SAÚDE E BEM-ESTAR TECNOLOGIA