Passinho Malado de BH é o novo passinho mineiro

Comportamento 16/01/2019

O Passinho de BH está contagiando jovens de Minas Gerais e ganhando destaque no Facebook e Youtube, com referência de passinhos de outra geração, lá dos anos 80. Os mineiros mostraram seu talento nos bailes das comunidades e mostram que Minas Gerais tem seu gingado forte e marcado – se diferenciando dos paulistas e cariocas. Chega mais que o Portal KondZilla te conta mais sobre esse novo passinho do funk.

https://www.youtube.com/watch?v=P61VJApL_7w

Como já falamos do movimento musical de funk em MG – que tem produtores próprios, ídolos próprios, músicas próprias – eis que surge a vez do Passinho Malado de BH ganhar destaque e viralizar nas redes sociais. “Eu postei na intenção do povo curtir, salvar, aprender, comentar, mas nunca passou pela minha cabeça que esse vídeo iria explodir da forma que explodiu”, diz Marcos Vinicius, 19, mais conhecido como MV Oliveira, um dos principais dançarinos do Passinho Malado de BH. “Foi muito rápido, o povo começou a fazer meme, chegou até no Rio de Janeiro”.

https://www.instagram.com/p/BrwUWuYloYN/

O vídeo viralizou e por semanas foi comentado em diversas redes sociais. O cabelo verde e a camiseta verde fluorescente ganharam destaque junto aos passos sincronizados da rapaziada. A habilidade na dança chegou a confundir algumas pessoas que acharam que os meninos fossem do Rio de Janeiro, pela dança ser um dos destaque do estado. Mas saiba que agora Minas Gerais além de estar marcando seu nome nas musicas de funk com grandes MCs como MC L da Vinte e MC Rick, agora tem seu próprio passinho de funk que está cada vez mais ganhando destaque.

https://www.youtube.com/watch?v=MnFNVQQuY3w

Se você ficou com dúvidas a respeito do significado da gíria malado o próprio MV te explica: “Significa foda, daora, legal pra caramba”. Essa é a definição para muitos que apreciam o novo passinho mineiro, mas de novo ele só tem o nome e a capital que surgiu. Diferente de outros passinhos do funk, como o Passinho dos Maloka que precisa ser dançado conforme o ritmo da música ou simplesmente ser guiado pelo que a letra diz, o passinho malado foge desse roteiro. Logo, independe do ritmo, você consegue dançar livremente, dos movimentos mais lentos ao mais rápidos. A galera que dança se destaca na facilidade de abaixar, levantar e girar sem que o corpo perca o balanço envolvente. Antes que me esqueça, é possível dançar a dois, no melhor estilo casal parado no bailão.

Se você está pensando que os passinhos usados no passinho malado de BH são de agora, aí que você se engana: Miami, Alvorada, Realce, Guitarrinha, Robozinho 1 e 2 são passos usados nos famosos baile charmes das antigas ao som do Miami Bass. Talvez você seja jovem demais para saber sobre o assunto então vou te explicar rapidamente. DJ Marlboro foi um dos responsáveis na popularização do funk carioca em todo o Brasil, ele tocava em diversas festas cariocas o Miami Bass, que é um subgênero do electro, tornando-se popular nos EUA e países da América Latina nos anos 80 e 90. Todos os nomes que falei acima, são nomes de passos que ficaram famosos no ritmo eletro. Logo, a referência direta do Passinho de BH são dos anos 80 e 90. “Os passinhos que dançamos hoje não tem nome, quando a gente quer falar de algum passinho, sempre falamos do vídeo diretamente”, conta MV.

https://www.youtube.com/watch?v=sBUTniuc7bE

Até o momento, não sabemos como surgiu o Passinho Malado de BH, mas a certeza é que ele é uma mistura de outros passinhos como: passinho do romano, passinho dos maloka e o próprio passinho de Miami que nunca deixou de ser característico em BH.

Em 2015, o mineiro MC Papo versou: “Faz passinho de Miami // Curte o movimento Black“, afirmando que anos atrás o passinho já era referência para o estado. MV também é cria dos passinhos black. “Eu comecei dando Hip Hop né, mandava uns break dance, dos passinhos antigos sei algum também, querendo ou não nossa referência do início é sempre o hip-hop e os passinhos antigos”.

https://www.youtube.com/watch?v=Rw_hNJGkf3E

Assim como outros passinhos que viralizaram na internet e ganharam destaque mundial, com o Passinho Malado de BH certamente não será diferente, com aparições até em videoclipe recém lançado como “Nada Vai Mudar” do MC Rick, que já passa a marca de 1 milhão de visualizações e conta com a direção do Doug Filmes. O diretor contou para o Portal KondZilla como foi inseriu o passinho de BH no clipe. “O estilo de beat das músicas do Rick é um estilo de beat que predomina nos bailes de Minas Gerais e as danças dos bailes são aquelas do videoclipe, então a gente tentou trazer o máximo da comunidade, do funk, da periferia pra dentro do clipe. A gente chamou a galera que frequenta os bailes mesmo”. Kamikaze Dance, Tropa do GSC, Gang Do Passinho e Tropa do MV (o grupo do Marcos Vinícius) são alguns dos grupos que aparecem no videoclipe mandando o passinho malado.

https://www.youtube.com/watch?v=URCjdmWzfjQ

O passinho de BH vai se firmando entre os grandes passinhos do funk e profissionalizando jovens de periferias, abrindo portas de emprego e gerando economia, o próprio Marcos Vinicius é um exemplo disso. MV Oliveira faz parte do grupo “A tropa do MV” junto com mais dois amigos, Matheus e Lucas, o grupo ensaia toda semana para aumentar as técnicas e as sincronias. O trio de amigos já se apresentam em shows, a produção é responsável pela venda do shows do grupo onde se apresentam em diversas casas de show em Belo Horizonte.

As músicas que a galera dança o Passinho Malado de BH são de diferentes MC’s como do próprio carioca MC Denny que também fez sucesso no passinho dos maloka, o que prova que a molecada não quer saber de treta entre estados e passinhos, cada um quer mostrar seu talento e representar na dança. E você já sabe dançar o passinho malado de BH também?! Aproveita pra mandar o passinho com a #passinhodomalado no Insta.

Pra você entender – Trajetória do Passinho
A internet é provedora de muitos sucessos virais, seja pela música ou pela dança. Os grandes sucessos da danças no funk chegaram por esse modelo também, quem não lembra do lendário vídeo do “Passinho Foda” onde meninos de comunidade carioca dançam uma espécie de dança funk com frevo. O vídeo viralizou sendo um marco para os passinhos do funk até hoje. Em 2014 o cara da vez no passinho foi Fezinho Patatyy no passinho do romano, onde no seu canal no youtube apresentou a dança que é uma mistura de break dance com funk e marcou as redes naquele ano, estendendo o sucesso pelos bailes da capital paulista onde jovens reproduziam o mesmo movimento por anos consecutivos.

Por volta de maio de 2017, o boom do momento no quesito passinho do funk, foi o Passinho dos Maloka, com o grupo NGKS sendo um dos destaques dessa dança viral que através de vídeos postados no Youtube e Facebook, alcançaram milhares de pessoas. Conseguindo inúmeras de visualizações com seus molejo dos ombros, um dos principais destaques da dança, além do movimento das mãos, meio que fazendo de conta que tá empinando pipa e olhando pro nada. Também em 2017, por volta de julho o passinho de BH ou “Passinho Malado”, de BH, como também é conhecido, já estava surgindo bem timidamente em alguns canais de Youtube, muito por conta do sucesso que foi o passinho dos maloka ainda não era o ano do passinho que surgiu em Minas Gerais ganhar visibilidade.

Leia também:
Tapa no vento é o passinho do momento
As danças que marcaram o movimento funk
A dança “Passinho” vira patrimônio cultural do Rio

Comentários