“Fiz minha primeira música quando trabalhava no ferro velho”; MC Lipi fala dos dias de luta até o sucesso no funk
Créditos: Divulgação
- Por Wenderson França

“Fiz minha primeira música quando trabalhava no ferro velho”; MC Lipi fala dos dias de luta até o sucesso no funk

Passeando entre o universo do funk consciente e grau, Luiz Felipe Messias Lopes, mais conhecido como MC Lipi, vem barulhando as favelas de São Paulo e arredores com suas letras nos últimos meses. São mais de 5 sons estourados andando entre solos e parcerias, no intervalo de apenas um ano ou menos, inclusive já falamos sobre por aqui. Quer saber mais sobre a vida pessoal de Lipi? Ele passa a visão sobre os dias de lutas e glórias até o sucesso dentro. Acompanha o Portal KondZilla e veja que foguete não tem ré. 

Nascido e criado na quebradas da Vila Ré, zona leste de São Paulo, aos 20 anos, MC Lipi relembra: “Eu trabalhava de várias fitas antes de tomar a decisão de focar no funk. Embalava cesta básica, vendia CD na porta do mercado e até no ferro velho, onde tive ideia de fazer minha primeira música”. O passo seguinte foi incentivado por um amigo que também é conhecido no universo do funk: “O MC DR morava na mesma quebrada que eu, ele me levou em um estúdio, nunca tinha ido antes, sou muito grato a ele”.

Entretanto, o corre até o sucesso teve suas horas de dúvidas: “Houve um momento em que não estava tendo retorno em nada. Não estava conseguindo nem o do meu ganha pão, isso me trouxe muita preocupação, frustração, por achar que estava ficando velho e sem fortalecer os meus. Masisso me deu mais força pra seguir e não desistir”, explicou Lipi enquanto refletia. 

O apoio dos pais o manteve firme, sendo assim essencial para o crescimento dele como artista: “Nunca deixaram faltar nada, o pouco que tinham sempre dividiam entre eu e meus irmãos, muitas vezes deixaram de comprar as coisas para eles pra fazer os nossos gostos”.

A virada de chave na carreira 

“Foi quando o som ‘Olha Esses Robôs’, com MC Digo STC, estourou. Antes eu fazia dois bailes em uma noite, do nada triplicou para seis, só deu uma brecada por causa da pandemia, mas foi nesse momento que mudou minha vida totalmente, até em questão de dinheiro”, diz Lipi. 

Lipi é dono de sucessos como: “Motoloka” (100 milhões no Youtube); “Vitória Chegou” (60 milhões) e “Só Gratidão” (17 milhões). Além das parcerias: “Olha Esses Robôs” – com MC Digo STC (62 milhões); “Mulher Cativante” – com MC Paulin da Capital e DJ GM (60 milhões); “Obrigado Deus” – com MC Paulin da Capital (25 milhões); e “Alvará” – com MC Rhamon (17 milhões). 

Mesmo diante do sucesso, a princípio, o sonho dele sempre foi ver apenas uma música na boca da massa funkeira: “Quando subo no palco e vejo as pessoas cantando minhas músicas é uma parada de louco. Na realidade, sonhava em ver uma música estourada, hoje as pessoas acompanham o repertório completo. Parece que estou vivendo em um filme. Às vezes, você sonha com uma parada, Deus vai e triplica”

“Quero que as pessoas lembrem de mim como um relíquia” 

Sobre o objetivo dentro do funk, Lipi passa a visão: “É estar entre os melhores da cena, mostrar profissionalismo, buscar sempre novidades e fazer história. Quero chegar lá na frente, e as pessoas lembrarem de mim como um relíquia”. No muito ou pouco, sempre fechado com os pais e os três irmãos. “Também proporcionar conforto e dar orgulho para minha família!”, firma

Para concluir o papo Lipi deixa uma mensagem para os fãs: “O que tenho a dizer é gratidão, tenho um carinho enorme por todos os meus fãs, sem vocês eu não seria nada. Obrigado pelo carinho de todos, tamo junto!”.


Acompanhe MC Lipi no Instagram

Tags relacionadas:

Funk Consciente

Funk