Entenda o porquê DJ Polyvox e Iasmin Turbininha foram intimados a depor

Autor: Gabriela Ferreira

Fotos por: Arte // KondZilla

Matérias | 26/07/2019 17:55:13

Anexo faltante

Nesta semana, artistas que se apresentaram em uma edição recente do Baile da Nova Holanda, um bailes do Rio de Janeiro, foram convidados a prestar depoimento à polícia carioca. Entre os artistas estão o DJ Polyvox, o criador do 150 BPM, e a DJ Iasmin Turbininha. Falamos com o advogado do DJ Polyvox, Dr José Estevam Macedo Lima, para entender o que está acontecendo com os artistas.

A intimação foi emitida pelo delegado Flávio Almeida Narcizo na última terça-feira, 23 de julho. De acordo com as informações dadas pelo advogado, a polícia quer descobrir quem está financiando o Baile da Nova Holanda e por isso intimou os DJs a prestar depoimentos.

“Após obtermos acesso ao procedimento investigatório, inferimos que se trata de uma investigação preliminar, ainda sem tipificação penal, sendo considerada, nesse momento, como fato atípico pelos investigadores, sem qualquer indício ou provas da prática de qualquer ilícito penal por qualquer pessoa”, adianta o advogado.

“Esclarecemos que o artista Polyvox possui contrato recente com uma grande empresa que é responsável pelo agenciamento de sua carreira e, por isso, responsável por todas as contratações para apresentações e participações artísticas que o envolvam, a partir de agora, obedecendo critérios e formalidades próprias.

Dr. Estevan está cuidando do caso de dois artistas e afirma que os DJs estão dispostos a colaborar. “Esclarecemos que o DJ Polyvox e os outros artistas, não se opõem a prestar esclarecimentos na Delegacia onde tramita a investigação policial”

DJ é uma profissão assim como qualquer outra. Muitas vezes faltam espaços culturais, casas de shows e estrutura adequada para eventos na favela, por conta disso, os artistas acabam tocando em locais improvisados. Com a profissionalização do funk, para cada artista, existem no mínimo outros 3 profissionais que o acompanham e sustentam suas famílias com esse trabalho.

“Todos lamentam a cultura discriminatória ao “funk”, que infelizmente envolve os Bailes em Comunidades, deixando de considerá-los como uma expressão cultural do povo carioca e que é perseguida, justamente quando se pretende ouvir os profissionais que comercializam suas apresentações musicais em procedimentos investigatórios criminais”, conclui Dr. Estavan.

Dentre os artistas convocados para prestar depoimento, Iasmin Turbininha e sua equipe estão mobilizando uma vaquinha online para ajudar a custear um advogado que possa defendê-la durante o andamento do processo. Você pode ajudar por esse link.

ASSINE A NEWSLETTER

NÃO PERCA NENHUMA NOVIDADE DO NOVO PORTAL KONDZILLA!

O quê você
procura?