"O funk é discriminado aqui no Rio Grande do Sul, mas vou mudar isso com meu talento", diz MC Quinho RS

Autor: Redação

Fotos por: Acervo Pessoal

Conte aqui sua historia | 24/01/2020 11:26:01

Anexo faltante

Muitas pessoas tem muito a contar e histórias para inspirar o pessoal que pode estar passando por momentos difíceis. Por isso a KondZilla abriu o projeto Conte Aqui Sua História, que hoje recebe o corre do MC Quinho RS, ex-traficante e viciado que mudou de vida e quer passar a visão pro próximo.

“Meu nome é Erick Rossatto Viana, tenho 18 anos e sou de Aparecida, no Rio Grande do Sul. Sempre morei em quebrada e sempre fui sonhador. Quando eu era pivete meu pai era usuário de droga e batia na minha mãe. Eu presenciava tudo isso sem poder fazer nada, e quando terminaram meu pai dizia para mim que se minha mãe cobrasse pensão iria matar ela e com isso não queria nos ajudar.

Minha mãe criou eu e meu irmão sozinha depois dos 9 anos. Ela sempre batalhou muito pra criar a gente. Ela nos colocou numa numa escolinha de futebol, a gente sempre teve esse sonho de se tornar jogador.

Infelizmente com tempo passando eu comecei a me envolver com a droga. Aos 11 fumava cigarro escondido e com 17 estava perdido no crack. Vendi coisas de dentro da minha casa. Minha mãe acabou se mudando e eu me internei numa fazenda durante sete meses e ela me perdoo porque… mãe é mãe.

Mesmo assim, saindo de lá, me envolvi com o tráfico porque estava sem emprego e por conta de ser de menor não podia assinar carteira. Fiquei quase um ano nessa vida. De vez em quando eu arrumava uns bico de servente de pedreiro, mas logo depois disso Deus me deu livramento, me tirou dessa vida e me deu o dom de cantar.

Sempre fui fã do MC Daleste e, por influência dele, hoje sou MC. Curto muito funk consciente, quero passar a visão pra molecada. Gosto de como o funk muda a vida das pessoas.

Estou na luta pra conseguir um emprego pra conseguir produzir minhas músicas e ajudar minha família. Aqui no Rio Grande do Sul não tem muita oportunidade pro funk, não tem nem baile.

Meu sonho é um dia explodir no funk e conseguir montar produtoras em todas as cidades do RS e mostrar pra molecada que quem tem foco e dedicação alcança o que quer. O funk é discriminado aqui, mas vou mudar isso com meu talento se Deus quiser”.

A história de MC Quinho RS mostra que todos podem mudar de vida e correr atrás de um sonho. Tem um corre parecido? manda pra gente no e-mail conteaquisuahistoria@kondzilla.com com suas fotos, número de celular e redes sociais.

O quê você
procura?