Marcha da Maconha reúne milhares de pessoas em SP

Autor: Redação

Fotos por: Reprodução

Notícias | 03/06/2019 10:45:16

Anexo faltante

Aconteceu neste último sábado, 1º de junho, a marcha da Maconha em São Paulo. A manifestação pedia o fim da guerra às drogas com o tema ‘Para o povo vivo e livre – legalize’. A polícia militar não informou o número total de manifestantes, mas a passeata chegou a fechar a Av. Paulista desde o MASP até a Rua Consolação. Não houve registro de conflito com a polícia. A marcha acontece em diversas regiões do país, sempre no mês de maio.

No mesmo momento em que acontece a marcha, o STF adia novamente a discussão da descriminalização da maconha, quando o processo em 2015 já possuía 3 votos a favor a descriminalização. O adiamento ocorreu após o encontro do presidente com o ministro Dias Toffoli, na semana passada. A agenda do governo é contra a legalização, justificando que o país vive uma “epidemia de drogas” – estudos apontam o contrário.

O pedido de legalização vem num momento em que alguns países no mundo estão legalizando o consumo pessoal e também o uso para tratamentos médicos. Ainda é muito controverso o uso da maconha, principalmente por falta de pesquisas que demonstrem os efeitos a longo prazo. Já se sabe que a cannabis tem muitos efeitos positivos e medicinais.

Países como EUA e Uruguai já legalizaram o uso, o que movimentou a economia de comerciantes e do estado (com os impostos). A legalização é um fatores que pode ajudar o combate ao tráfico de drogas, enfraquecendo o crime organizado. Outro ponto para o pedido, é o fim dos encarceramentos da juventude negra, como foi dito nesta série do doutor Drauzio Varella.

De 2006, quando foi publicada a Lei de Drogas, até 2017, a população carcerária no Brasil cresceu mais de 80%, chegando a um total de 730 mil pessoas, colocando o país no terceiro lugar na classificação mundial de população carcerária. Segundo informações do Ministério da Justiça, coletados pela associação Conectas, 26,5% da população carcerária masculina e 62% da feminina responde por crimes relacionados com o tráfico de drogas.

O quê você
procura?