/ Matérias

Jottapê participa do podcast PodPah e conta curiosidades sobre a carreira

- Por Rayane Moura

Jottapê participa do podcast PodPah e conta curiosidades sobre a carreira

Os podcasts não param! Nesta quarta-feira (24), foi a vez do Jottapê de participar do PodPah. O programa de Mítico e Igão, transmitido ao vivo no Youtube, já entrevistou diversos outros artistas do funk, do trap e por aí vai. Cola no Portal KondZilla e pega a visão. 

Cria da Brasilândia, durante o bate-papo Jottapê contou diversas curiosidades sobre sua vida, carreiras e inspirações. No meio artístico desde criança, o artista já fez comercial de fralda, além de filmes e novelas. “Meus pais sempre me apoiaram, independente do que eu quisesse trampar, e meu pai que ia mais comigo, minha mãe ficava cuidando da casa e meu pai que me levava para esses baguio. Desde pequeno ele me colocou no teatro, aula de instrumentos, canto, ele sempre me ajudou muito nisso, então meio que me encaminhou para esse caminho”, explica. 

Para quem não sabe, Jottapê aos sete anos foi protagonista do filme “Menino da Porteira”. Além disso, ele fez uma participação na novela “Avenida Brasil”, na Globo, e “Chiquititas”, no SBT. “Fiz teatro por 12 anos, e foi que me ajudou em tudo, até mesmo para show, desenvoltura no palco”, conta o artista. Nos tempos de ator mirim, o artista assinava como João Pedro Carvalho.

Durante a conversa, Jottapê revelou que no começo da caminhada no funk usava o nome de MC Pedrinho SP. O papo durou mais de duas horas, se liga só:

Como a maioria dos meninos de quebrada, Jottapê sempre sonhou em ser MC no funk. “Depois que fiz ‘Chiquititas’, que era um público mais teen, eu ganhei alguns fãs, e eu pensei ‘e agora se eu começar a cantar um funk?’, porque eu sempre escrevia músicas desde moleque, e só sabia escrever funk porque eu ficava vendo os caras e achava muito louco. Aí eu cheguei no meu pai e falei que queria cantar funk, e comecei a conciliar os dois. Eu fazia um encontro de fãs com a galera da ‘Chiquititas’, e aproveitava e mandava um som”, explica como foi o começo de carreira. 

Jottapê também explicou que o seu nome artístico surgiu em uma conversa com um amigo. “Tem um parceiro meu, que inclusive já morreu e morava na frente da minha casa, a gente brincava de fazer umas rimas lá na rua, tá ligado? E ele me falou ‘mano, você tem que chamar JP, é João Pedro, JP e já era’, aí eu peguei isso e comecei usar”, conta. 

Durante o bate-papo, Jottapê mandou também um som de uma das músicas antigas, as primeiras composições antes de fazer sucesso no funk. Além disso, ele contou como foi o seu começo na KondZilla Records, que sempre foi muito fã do MC Dede, por isso compôs e gravou “Chamando no Grau” junto com ele. 

“Eu ia todo dia para a empresa, eu ia de metrô e busão para ir e volta, porque o meu pai tava trampando de corretor e não tinha como me levar. Mas eu estava duro e não tinha dinheiro para ir e voltar. Aí eu comecei a fazer doces em casa e vendia lá na Kond, para ter o dinheiro para voltar pra casa. Os cara até me zuava, ‘oh, o mc doce chegou pá’, ai os caras comprava para me dar um força e eu conseguia almoçar lá e voltar de busão e metrô”, explica.  

Quer saber mais curiosidades sobre o Jottapê? É só assistir o bate-papo completo e ficar ligado aqui no Portal KondZilla! 

Tags relacionadas:

Notícias